PSORÍASE – DOENÇA CRÔNICA, NÃO TEM CURA, MAS TEM CONTROLE

Imagem com couro cabeludo com inflamações da psoríase. Escamação e vdermelhidão

Hoje vamos falar sobre psoríase, mas antes de entrar nos detalhes da doença, controle e tratamento quero falar pra vocês duas coisas extremamente importantes sobre essa doença: a primeira delas é que o único profissional capaz de entregar um diagnóstico correto sobre a doença é o médico dermatologista, isso porque a  psoríase é uma doença de pele e deve ser tratada com muita atenção. A segunda coisa, e muito importante também, é que a psoríase não é uma doença contagiosa, e você pode conviver, se aproximar, abraçar, beijar normalmente uma pessoa com psoríase porque não será transmitido para você. E é muito importante ter empatia com as pessoas que sofrem com a psoríase porque além de enfrentarem uma doença que é complexa e sem cura, as pessoas que convivem com ela também precisam conviver com as pessoas preconceituosas e isso é desumano, é o que a gente menos precisa, não é verdade?

Psoríase, uma doença crônica, aparentemente comum, inflamatória que pode atingir qualquer pessoa em qualquer faixa de idade. Como doença cíclica os sintomas aparecem e desaparecem, podendo ser mais acentuados em situações de estresse, ansiedade, alimentação inadequada e até com condições de clima, como o tempo mais frio por exemplo.

A causa da psoríase não se sabe ao certo, mas alguns fatores podem agravar o problema para que já tem e podem desencadear a doença.

Fatores genéticos ocupa o primeiro lugar na lista de possíveis causas da psoríase, o que não significa que em caso de ter pai e mãe que tenham você vai ter, não é isso, mas as chances de desenvolver são maiores quando já existe pessoas que tenham da mesma família.

Estresse é um dos potencializadores da doença, isso porque mexe diretamente com a imunidade.

Alimentação inadequada, consumo de bebidas alcoólicas e obesidades também são fatores que podem influenciar no surgimento da doença.

Como falamos no início, a psoríase não tem cura, mas existe tratamento e controle, e isso depende de cada caso, como sou especialista em cabelos, e a psoríase acomete várias regiões do corpo, mas as regiões mais atacadas são joelhos, cotovelos e couro cabeludo, vamos falar sobre a parte que está relacionada ao meu trabalho, que é o couro cabeludo.

Em 81% dos casos de pessoas que têm psoríase ela acomete o couro cabeludo.

Os sintomas do couro cabeludo são parecidos com os sintomas da dermatite seborreica, isso porque ambas são doenças de pele. Mas no caso da psoríase eles são mais agravados.

– Muita coceira

– Muita escamação

– Formação de placas avermelhadas, mas que podem mudar de cor tendo um aspecto platinado

– Queda acentuada

– Dor no couro cabeludo

– Sangramento em alguns casos.

Alguns desses sintomas podem se espalhar pela orelha, pescoço ou testa.

É comum que a psoríase seja confundida com a dermatite seborreica, isso porque são doenças parecidas, placas avermelhadas que escamam e pode causar muita coceira.

Claro que a psoríase é um quadro bem mais intenso, onde as placas são maiores, escamam muito mais e podem provocar queda significativa nas inflamações e até sangramento, mas os sintomas iniciais podem sim ser confundidos com uma simples dermatite seborreica.

Não vou entrar no mérito do tratamento aqui uma vez que cada caso deve ser investigado separadamente.

  1. Mas usar shampoos corretos, que fazem uma assepsia adequada, saber a melhor forma de pentear os cabelos, bem como secá-los e evitar arrancar as casquinhas ajudam no tratamento.
  2. Usar pentes de cerdas macias e lavar o cabelo na água morna, ajudam também a amolecer e fazer com que essas cascas caiam naturalmente sem que você as puxe.
  3. O tratamento deve ser acompanhado do seu médico, e na terapia capilar ele acontece de forma gradativa, quando as inflamações estão mais calmas.
  4. É fundamental criar um protocolo exclusivo com shampoos que vão acalmar o couro cabeludo e tratar das irritações.

Como a terapia melhora a oxigenação, a distribuição de nutrientes ela vai controlar a proliferação de microrganismos, deixando o couro cabeludo bem mais saudável e consequentemente amenizando dores, coceiras e a queda. O laser tem sido um protocolo muito difundido para esses tipos de tratamento e nas questões de psoríase ele exerce uma função importantíssima no controle e na minimização dos sintomas da psoríase.

O mais importante é se cuidar sempre, e entender que apesar de algumas coisas que nos acontecem, a gente não pode e não deve parar nunca. O maior sentindo da vida é o existir, e superar as dificuldades driblando as fatalidades que nos acomete pelo caminho e seguir

Couro cabeludo, parte frontal com escamações de psoríase
Imagens: FreePik
Couro cabeludo, parte frontal com escamações de psoríase. Imagem computadorizada dermatoscopio

Deixar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *